instituicaoservicoatribuicoesimprensalicitacaofaleconosco
egppceep
dctdi
dcps
Centro de Estatísticas, Estudos e Pesquisas
 
CEEP
Conheça o CEEP
A Estatística no RJ
Projetos e Atividades
Dados Socioeconômicos
PIB Estadual/Municipal
Boletim de Conjuntura Econômica
Anuário Online
Informações do Território
Divisão Político-Administrativa
Divisão Regional
Posição e Extensão
Ambiente
Produtos Ceperj /CEEP
Publicações
Onde comprar
Fale com CEEP
 
 
 

Acesse os mapas:

Mapa – Estado do Rio de Janeiro (Mapa Oficial)

Mapa da Região Metropolitana do Rio de Janeiro - 2014

Mapa do Estado do Rio de Janeiro- Regiões de Governo e Municípios - 2014

Mapa dos desmembramentos municipais

Divisão político-administrativa, segundo Regiões de Governo, Municípios e Distritos

Evolução dos municípios

 

 

Estado do Rio de Janeiro
Divisão Político-Administrativa

O território brasileiro, refletindo os dispositivos constitucionais que disciplinam a Federação, é dividido em um Distrito Federal e vinte e seis Estados-membros, dentre os quais está o Estado do Rio de Janeiro. Os Estados-membros, por sua vez, dividem-se em municípios, compreendendo todos, segundo o artigo 64 da Constituição do Estado, “... entidades autônomas e exercendo suas competências constitucionais em seus respectivos territórios e circunscrições".

De acordo com o § 1° desse Artigo, “O território do Estado tem como limites geográficos os existentes e demarcados na data da promulgação desta Constituição, compreendendo a área continental e suas projeções marítima e aérea e só podendo ser alterado mediante aprovação de sua população e lei complementar federal.”

O Estado do Rio de Janeiro resulta da fusão de dois Estados - Guanabara e Rio de Janeiro -, determinada pela Lei Complementar nº 20, de 01/07/1974, e concretizada a 15/03/1975, quando tomou posse seu primeiro governador. Em decorrência desta fusão, o Estado da Guanabara foi transformado em município, passando a cidade do Rio de Janeiro a ser a capital do novo Estado, ficando Niterói, capital do antigo Estado do Rio de Janeiro, na condição de sede municipal. Através desta medida, reconstituiu-se a unidade territorial existente em 1834, ano em que, pelo Ato Adicional - uma emenda à Constituição de 1824 -, foi instituído o Município Neutro, com terras desmembradas da então Província do Rio de Janeiro (oriunda das capitanias criadas nos primeiros tempos da colonização portuguesa). Esta iniciativa proporcionava autonomia administrativa ao novo Município, cuja característica peculiar era a de abrigar a capital do Brasil Império - a cidade do Rio de Janeiro -, que, mesmo após a proclamação da República, em 1889, continuou a exercer esta função. Com esta nova forma de governo, a Província do Rio de Janeiro passou a denominar-se Estado. Ao mesmo tempo, mudava-se o nome do Município Neutro para Distrito Federal, permanecendo como tal até 1960, quando se transformou em mais um Estado da Federação - o da Guanabara -, em decorrência da mudança da capital do país para Brasília.

O Estado compõe-se de 92 municípios, que se constituem, pelo artigo 343, da Constituição do Estado do Rio de Janeiro, em “... unidades territoriais que integram a organização político-administrativa da República Federativa do Brasil, dotados de autonomia política, administrativa e financeira, nos termos assegurados pela Constituição da República, por esta Constituição [a do Estado] e pela respectiva Lei Orgânica".

Cada município possui a sua sede numa cidade, que lhe dá o nome. Para fins administrativos, a maior parte dos municípios fluminenses divide-se em distritos, que também podem ser subdivididos. Os distritos têm suas sedes em vilas, que lhes dão também os respectivos nomes. Alguns municípios têm apenas um único distrito. Muitas prefeituras municipais não mais adotam a divisão distrital, preferindo dividir seus territórios em bairros, regiões administrativas, vilas, unidades regionais de governo ou subprefeituras.

“Os distritos têm sua criação norteada pelas Leis Orgânicas dos Municípios. [...] As Regiões Administrativas, Subdistritos e Zonas são [...] normalmente estabelecidas nas grandes cidades, citadas através de leis ordinárias das Câmaras Municipais e sancionadas pelo Prefeito.” (IBGE)

No artigo 33 da Lei Complementar nº 1, de 17/12/1975, os municípios foram definidos como unidades territoriais do Estado, “... com formação natural, reconhecida por lei, representativa de uma comunidade de interesses políticos, econômicos, sociais, morais, cívicos, culturais e religiosos, de acordo com suas peculiaridades locais, mas integradas ao Estado, para a realização do bem comum". No entanto, o estudo da evolução dos municípios demonstra que a criação de muitos deles deu-se independentemente da conjugação desses interesses, predominando, quase sempre, um deles (o político ou o econômico, principalmente) sobre os demais. Hoje, a Constituição do Estado, no seu artigo 357, determina: “A criação, a incorporação, a fusão e o desmembramento de municípios far-se-ão por Lei Estadual, dentro do período determinado por Lei Complementar Federal, e dependerão de consulta prévia, mediante plebiscito, às populações dos municípios envolvidos, após divulgação dos Estudos de Viabilidade Municipal, apresentados e publicados na forma da Lei". Enquanto a criação de um município se dá por uma Lei Estadual, a sua instalação só se efetiva quando tomam posse os respectivos Prefeito, Vice-Prefeito e Vereadores.

Nos últimos quinze anos, ocorreram sucessivas emancipações municipais, refletindo, em alguns casos, o crescimento econômico das localidades emancipadas e, em outros, uma reação dos respectivos habitantes, que atribuem às autoridades competentes um descaso com a solução de seus problemas, na medida em que se aplicam os recursos provenientes dos tributos municipais e do Fundo de Participação dos Municípios quase exclusivamente na sede. Acrescentem-se a isto outros fatores, como a perspectiva de viabilização de interesses de grupos políticos e/ou classes hegemônicas locais, pelo acesso ao poder (local) propiciado pela emancipação.

Entre novembro de 1989 e abril de 1992, foram criados onze municípios, tendo-se efetuado as respectivas instalações em 1º de janeiro de 1993.

Em 1995, foram criados mais dez municípios, cujas instalações se deram em 1º de janeiro de 1997. O mais novo município é o de Mesquita, instalado em 1º de janeiro de 2001.

Os mapas e quadros anexos apresentam a atual divisão político-administrativa do Estado, bem como a evolução dos respectivos municípios.

O estudo da evolução dos municípios demonstra que, nos primeiros séculos da colonização, a instalação das vilas deu-se predominantemente no litoral, de onde se controlaram vastas áreas do interior. Essas vilas incorporaram sob suas jurisdições novos territórios, à medida que se processavam a conquista e a ocupação dos mesmos, chegando a formar extensos blocos territoriais. No Estado do Rio de Janeiro, podem-se considerar as Vilas de Cabo Frio, Campos dos Goytacazes, Angra dos Reis, Rio de Janeiro e Resende (esta no Vale do Paraíba) como as sedes destes blocos, que, ao longo do tempo, se desmembraram, originando os atuais municípios fluminenses.

O mapa de Desmembramentos Municipais identifica esses blocos territoriais, delimitando-os de acordo com as divisas municipais de hoje, em virtude da dificuldade de reconstituí-las fielmente, também porque elas foram objeto de modificações várias ao longo do tempo.

Referências Bibliográficas

IBGE. Documentação histórica dos municípios e distritos do Estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, v.9, 1956.v.10,1957.v.11, 1958.

SANTOS, Nélia Leão (Coord.). Coletânea de Atos, Decretos e Leis [datil.][198_].



(início CEEP)

     
  (página inicial)